Teófilo Júnior

My blogs

Blogs I follow

About me

Gender MALE
Industry Non-Profit
Occupation Advogado
Location Fincado em algum lugar desse planeta, em algum espaço da Paraiba, Brazil
Introduction NOME: Teófilo Júnior. Nascido no alto-sertão da Paraíba tinha tudo para me chamar Zé, Benedito ou Chico, mas me resolveram Teófilo (de origem grega - Teo = Deus, Filos = Amigo), é uma junção entre "Deus" e "Amizade" e ainda por cima é nome de Santo. O autor da façanha, meu pai, como muitos outros nordestinos, foi batizado pelo calendário, pelo nome do Santo do dia de seu nascimento pendurado naquela folhinha posta na parede e, de tabela, sobrou hereditariamente pra mim a designação tão incomum para um sertanejo de cabeça chata. PROFISSÃO: Tecnicamente sou Advogado. Servidor público nas horas vagas. QUEM SOU:Pai do pequeno Yan. Marido de Marileide. Poeta por pura falta de competência.
Interests Livros, músicas, internet, pinturas renascentistas, cinema, teatro.
Favorite Movies Perfume de Mulher - Sexto Sentido - Dança com lobos - Efeito borboleta - O poderoso chefão (trilogia)- Sociedade dos poetas mortos - A lista de Schindler - Anjos e demônios - Um lugar para recomeçar - Amistad - O colecionador de ossos - O escafandro e a borboleta - A caminho da liberdade...
Favorite Books LIVROS: Amor de perdição, Memórias Póstumas de Braz Cubas (Machado de Assis), Aforismos de Sabedoria (Shopenhauer), Rosa do Povo (Drummond)- Crime e Castigo (Fiodor Dostoiévski) - O eu e o inconsciente (Carl Gustav Jung) - Dom Quixote (Miguel de Servantes)- A arte de ter razão (Schopenhauer)- A arte da guerra (Sun Tzu)- Da morte, Metafisica do amor, do Sofrimento do mundo (Schopenhauer), Memórias de minhas putas tristas (Gabriel Garcia Marquez), Vigiar e Punir (Michel Foucault), O salão dos passos perdidos (Evandro Lins e Silva), O advogado não pede. Advoga (Paulo Lopo Saraiva), 1964: A opressão dos quartéis (Jório Machado), Apologia de Sócrates, A luta pelo Direito (Rudolf Von Ihering), o Caçador de Pipas, A menina que roubava livros, A era dos direitos (Norberto Bobbio), Inocência (Visconde de Taunay), A ordem do discurso (Michel Foucault), A Cabana, Vidas Secas (Graciliano Ramos)...